FRAUDE NAS PRÓXIMAS ELEIÇÕES: CONFIRMADO

Fonte: Jornal da Cidade on line

Advogado recém-formado põe no bolso os ministros do STF (Veja o Vídeo)

Leia mais: https://www.jornaldacidadeonline.com.br/noticias/10327/advogado-recem-formado-poe-no-bolso-os-ministros-do-stf-veja-o-video 

© Todos os direitos reservados a J P Tolentino Filho ME, CNPJ: 16.434.831/0001-01


  

C,onclusão obvia dos editores deste blog:  Existirão fraudes diversas nas eleições de outubro. 

A primeira razão de certeza é estatística: por pequena que seja a possibilidade de que um evento aconteça, se houver um número muito grande de oportunidades de sua ocorrência, a probabilidade que ocorra aumentará continuamente. E a probabilidade inicial, como denunciado por diferentes técnicos, já é detectável mesmo em testes com amplitude de algumas dezenas de votos.  

A forma de contagem (fechada ao público, executada apenas por técnicos) é a segunda razão. Em segredo, tudo pode acontecer.

A terceira razão é a composição do TSE. Não há qualquer razão para confiar em uma estrutura de poder em que não conhecemos nem os indivíduos nem os grupos que compõe suas partes. Qualquer partição tem a possibilidade de cometer ilícitos (alterando a contagem ou violando o sigilo), desde a cúpula até a menor mesa de recepção de votos. Isso pode ser comprovado (por exemplo) pelo “PROTESTO DO JOÃOZINHO”.

Protesto do Joãozinho: o eleitor vota, confere e confirma seu voto para deputados estadual e federal, governador.  Escolhe e vota mas NÃO CONFIRMA O VOTO para Presidente da República  e sai da cabine.  Cria-se um impasse: ou alguém da mesa entra na cabine e viola o sigilo ao ver o último voto ou cancela tudo sem entrar na cabine, alterando a contagem de votos para os cargos em que aquele eleitor já votou.

 

Anúncios

21 Responses to FRAUDE NAS PRÓXIMAS ELEIÇÕES: CONFIRMADO

  1. magu™ says:

    Que merda! Continuo não podendo assistir ao vídeo indicado…

  2. Gil says:

    Magu, como a fonte é o Jornal da Cidade, que tem menos compatibilidade que o Youtube quando há algum empecilho (palavrinha enjoada, deveria ser impecilhlo), fico sem saber o que fazer.
    Daqui, usando a Vivo, vejo em ambos os links (com embed e sem embed) que coloquei.
    A causa pode ser a tua operadora ou pode ser o mac, um deles não ter simpatia pelo JC.

    Sinceramente, não tenho a menor ideia de por que é que vejo ou por que é que v. não vê. Vamos esperar para ver se mais algum leitor confirma ver ou não visualiza o vídeo.

  3. Tito says:

    Meus amigos, em primeiro lugar afirmo a vocês que esse site citado não é fonte confiável, sendo portanto um dos maiores propagadores de fakenews. Procurem outras matérias e vocês irão concordar comigo.
    Em segundo lugar, que não foi dito, as urnas podem ser fraudadas, fato. Mas tem que ser feito uma a uma, logo, fraudar milhares de urnas sem que isso vaze é impossível. Se o candidato tiver votos suficientes pra ganhar no primeiro turno as urnas fraudadas serão irrelevantes. E mesmo que não ganhe, o número de votos teria que ser muito próximo para que a fraude funcionasse, pois teriam que fraudar poucas urnas, o que aí poderia ser viável.
    Vocês acham que, se realmente a fraude mandasse, o Dória teria sido eleito em SP? Alguém sério seria candidato?
    O resto é mimimi e teoria da conspiração.
    Grande abraço

    • Almir Quites says:

      A postagem acima não contra argumenta, esquece os argumentos, apenas ataca o blog-fonte. Isto não é justo. É até desonesto.
      Teoria da Conspiração é a teoria que nega a existência de seu próprio objeto. Não há argumento mais tolo de negar algo do que afirmar que se trata de Teoria da Conspiração! Conspirações sempre existiram e fervilham no Brasil. Quem duvida disso?

    • Almir M. Quites says:

      Tito, a fraude eleitoral no Brasil é feita por aqueles que possuem os códigos de acesso ao software que será implantado nas urnas eletrônicas (que não é urna, é computador), ou aos softwares de transmissão dos dados ou aos softwares do TSE que fazem a totalização dos Boletins de urna. Logo, o processo eleitoral é aberto aos fraudadores e as fraudes são feitas no atacado e não urna a urna, como você supos.

  4. Tito says:

    Só pra complementar. O maior interesse de falar em fraude nas urnas é do PT e seus satélites, pois o descrédito fará com que muita gente não vá votar, o que não vai ocorrer com a militância. E o pior, os intervencionistas, que conseguem falar até mais merda do que os petistas, compraram a tese e mal sabem que estão sendo inocentes úteis na mão das esquerdas.

    • magu™ says:

      Tito, B I N G O !
      Você acaba de chutar o pau da barraca, e balançou o conjunto…

    • Almir M. Quites says:

      Tito, os fraudadores estão no próprio TSE e seu corpo de técnicos. São eles e quem eles bem quiserem que podem ter acesso aos softwares de apuração eleitoral. Posso te garantir que eles não se importam com ideologias políticas. Eles só se interessam por poder e dinheiro. Deve rolar muito dinheiro por baixo dos panos, mas eles estão no local mais seguro para poder ter total tranquilidade. Eles estão no TSE, irmão siamês do STF.

  5. Gil says:

    Discordo, Tito. A fraude está na impossibilidade de auditoria. A contagem da última eleição presidencial, por exemplo, foi feita com as portas fechadas, apenas por técnicos de computação e um ministro (e conhecemos pelo trio tenebroso o quanto são confiáveis…).

    Os fiscais das urnas são os que decidiram usar uma maquininha ultrapassada. O que defendo é que o voto seja IMPRESSO, para que possam ser recontadas urnas ALEATÓRIAS – e não apenas as que constituem os 5%. A FRAUDE PODERÁ OCORRER EM 95 % DAS URNAS.

    Apenas a POSSIBILIDADE DE FRAUDAR JÁ É FRAUDE. E pior: a contagem sem possibilidade de verificação É FRAUDE. No voto impresso, todos os partidos tem fiscais.

    Relembro uma afirmação da Estatística, que memorizei como Lei dos Grandes Desastres: “AINDA QUE SEJA PEQUENA A POSSIBILIDADE DE OCORRER (qualquer coisa), quando o número de eventos é SUFICIENTEMENTE grande, há a CERTEZA de que (aquela coisa) QUE OCORRERÁ.

  6. Gil says:

    Tito: Quanto ao site citado, concordo com a desconfiança que você manifestou. As notícias que tenho lido lá não são confirmadas em outros lugares.

    MAS O VÍDEO DO YOUTUBE é bastante claro e as intervenções dos ministros interrompendo e acuando o depoente também revelaram muito.

  7. Tito says:

    Gil, de uma forma ou outra precisa mexer no código fonte e isso, como já disse, tem que ser em cada urna. Lembro a você que o PT tomou porrada nas eleições municipais. Se tivessem como fraudar nessa escala, isso não teria ocorrido. E outra, também repetindo, isso certamente teria vazado porque precisaria de muitos técnicos pra fazer.

    • Almir Quites says:

      A carga das urnas é feita por computadores do TSE. Não há como fiscalizar o processo e não dá para saber que software está sendo inserido.
      Quem comanda a corrupção brasileira não é o PT, mas uma organização criminosa supra partidária. Lá tem gente de todos os partidos, inclusive do PT. Dominaram os três poderes do da República. Aliás o órgão mais poderoso da República é o TSE, irmão siamês do STF. Participar do processo eleitoral é participar da fraude.
      Votem em quem quiserem, o resultado será o mesmo. O nordeste inteiro pode votar no PT e o resultado será o mesmo. Quase todos vão acreditar no resultado anunciado. Isso vale também para o caso de o nordeste inteiro votar no PSDB.
      O que importa para os donos do processo eleitoral não são as ideologias, mas o poder, o dinheiro e o modo de acomodar todos os amigos no resultado eleitoral.
      Eu não voto! Faço sempre o PROTESTO DO JOÃOZINHO.

    • Almir M. Quites says:

      Não, Tito, o software (código-fonte) inserido nas urnas já é desonesto e não adianta fazer teste de urna. O software reconhece quando a urna está em teste. No teste ela funciona honestamente. Alem disdo, deve haver fraude tambem na totalização dos boletins de urna feita pelo computadores internos do TSE. Não acredito que tu acredites na honestidade de todos os técnicos do TSE! O grande problema é a impossibilidade absoluta de auditagem.

  8. Gil says:

    UM EXEMPLO de como fraudar toda a eleição. Existem CENTENAS DE MODOS DE FRAUDE. Qualquer prestidigitador te dirá que o truque é fazer o público olhar numa direção enquanto a outra mão empalma a carta mágica.

    Todas as urnas, remetem os dados para um sistema central (suponho que no TSE em Brasilia). Na última eleição, dentro do CPD estavam apenas os técnicos (e, suponho, apenas um eventual ministro ou um juiz de confiança do ministro). Não há, como na votação e apuração com voto depositado em urna, fiscais dos partidos. Basta apertar um botão para que um programa de totalização dos votos seja substituído por outro. E outro (ou o mesmo) para voltar ao programa anterior. Só um especialista, NAQUELE MOMENTO, seria capaz de perceber a tramoia antes que o totalizador pirata fosse destruído do sistema. No dia seguinte, todos os rastros podem ser apagados ou tornados ilegíveis.

    O subprograma de falsificação de votos pode ser pequeno, algo como… estabelecer uma porcentagem grande de votos para um dos candidatos apenas nas máquinas que registrassem números maiores, ou máquinas cujo código contivesse um determinado número, ou cujo total de votos fosse ímpar… qualquer coisa que assegurasse a vitória de um candidato previamente escolhido . (Teria apenas de estar contido em um outro subprograma que provavelmente estaria entre os comandos SE e ENTÃO contendo ordem para apagar um determinado trecho da memória e sobrepor uma gravação de números aleatórios ou um longo texto, para sumir com a tramoia ou com os subtotais originais transmitidos pela cabine de votação. A prova da tramoia desapareceria, ficando apenas um texto desnecessário gravado na memória.).

    A área da memória ocupada pelo FALSIFICADOR DE TOTAIS DE VOTOS ainda poderia ser identificada por um especialista, mas como o especialista teria acesso ao computador central – cercado pelo pessoal de segurança?

    E enquanto isso estaremos todos fiscalizando para a urna de nossa seção…

    • Almir M. Quites says:

      Nem precisa sibdtitor um programa (software) por outro. Basta adicionar uma linha de código entre as 500 mil linhas existentes.

  9. Gil says:

    Na hora de submeter o programa totalizador à “especialistas isentos”, mostra-se outro, que é muito parecido e não tenha aquele longo texto que mencionei.

    Em vez de texto que descrevi na outra postagem pode ser um conjunto de comandos que não faça absolutamente nada, não interfira com o resto. Mas que tenha semelhança com alguma rotina de verificação.

    Outro exemplo de magia para crianças é libertar bandidos condenados em dia de jogo do Brasil. Vigiemos para ver o que fará a segunda turma do stf hoje.

  10. Almir Quites says:

    Gil, o que me parece que acontece é o seguinte: a fraude é feita inicialmente pelo próprio programa inserido nas urnas. Quem confere se o programa é o correto é outro programa, sabe-se lá com que padrão ele compara! A fraude, na fase de totalização, fica reservada só para o caso da primeira não ter sido suficiente no software das urnas.
    O eleitor só pode tocar no teclado e imaginar que aquele toque é um voto. Por trás do teclado, passando pelos pendrives e pelos computadores de transmissão de dados, até os computadores do TRE, tudo está sujeito a fraudes, porque não há qualquer possibilidade de fiscalização. Do lado do eleitor, só aflora o teclado para o toque do eleitor, mas do outro lado, está tudo aberto a fraudes para quem possua os códigos de acesso aos softwares. SE NÃO HÀ FISCALIZAÇÃO, SÓ PODE HAVER CORRUPÇÃO.

  11. Tito says:

    Todos os argumentos, válidos ou não, não me farão deixar de votar. Com fraude ou sem fraude, não votar significa deixar as militâncias conduzirem o processo. Ainda creio que um número significante de votos é impossível mudar. Volto a citar o Dória.

    • Almir M. Quites says:

      Seu raciocínio me parece falho. Com a fraude eleitoral, quem vai conduzir o processo serão os fraudadores e não a militância de esquerda. Participar do processo eleitoral fraudulento é participar da fraude. Você vai aceitar a fraude por “temer a esquerda”. E se os fraudadores forem “de esquerda”? Se não protestarmos agora, a fraude vai continuar e o povo vai acreditar no resultado, como acreditou em 2014. Além disso, vai se cansar de nossas denúncias e esquecer completamente do princípio constitucional da transparência do ato público.

      • Almir M. Quites says:

        A fraude precisa ser combatida independentemente da ideologia dos fraudadores ou de quem o combate à fraude supostamente beneficiária. A fraude eleitoral que é feita pelos próprios administradores do processo só pode ser combatida pelo repúdio decidido dos eleitores a este processo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: