QUEM É QUEM ENTRE OS CANDIDATOS

Coluna Carlos Brickmann -15/01/2017

carlos_brickmann_111
Carlos Brickmann

Não se iluda: assim que voltar do recesso, o deputado gaúcho Ônix Lorenzoni começa a trabalhar para erguer a candidatura de Ronaldo Caiado  à Presidência da República. Caiado já autorizou o colega a trabalhar por ele – inclusive articulando com outros partidos e montando uma frente que lhe permita candidatar-se reforçando as alianças possíveis.

Lorenzoni quer disputar o Governo gaúcho, e o apoio de Caiado, se for mesmo candidato, dará a Lorenzoni a oportunidade de jogar com o apoio de um candidato à Presidência da República.  Para Lorenzoni, é uma grande oportunidade. O ok de Caiado tem alto valor para Ônix.

Caiado sempre diz que só pensa em ser candidato a governador. Mas quer mesmo ir mais longe. Esse monte de candidatos ao Governo diz a mesma coisa. Mas Caiado pensa mais longe. Se tiver a oportunidade, buscará o máximo. E por que não? Se João Dória Jr. buscou a tese do gestor, não do político, e ganhou no primeiro turno, por que não Caiado?  Caiado está prontinho para se candidatar à Presidência da República. E jamais hesitou em abrir fogo contra Lula, desde o escândalo da Lubeca, em 1989. Manteve-se como fiel adversário do PT, mesmo quando o PT deu um jeito de buscar novos amigos. Sempre criticou Lula e se manteve na oposição. E agora, quando o PT e Lula sofrem na Justiça, não é Ronaldo Caiado que vai ignorar seus adversários do PT e fingir que não os conhece..

Negócios à parte

Lembra de Luís Inácio Adams,  amigo de fé e irmão camarada de Lula e Dilma, advogado geral da União?Agora ele ajuda Rodrigo Maia, que quer se reeleger presidente da Câmara. E se propõe a escrever um artigo num jornal de grande circulação, dando apoio a Maia. E por que? Para desvincular sua imagem do passado petista. Tem gente que é esperta!

Já Jovair Arantes, do PTB, que está brigando com Rodrigo Maia, acusa o adversário, sem citar seu nome, de “burlar a Constituição e as normas de funcionamento da Câmara” para tentar se reeleger esquecendo as normas legais. Todo mundo é santo, né?

PT quer tudo

O PT ainda não decidiu em quem vota na Câmara. Pode ser Rodrigo Maia, pode ser André Figueiredo, do PDT cearense. Jovair Arantes chegou a oferecer uma vice-presidência aos petistas. O PT tem 57 deputados; E, se trabalhar direito, pode até se sair bem. Por exemplo, o PT quer a primeira secretaria da Câmara. É aí que o PT pode nomear muita gente e se livrar dos interessados apenas em cargos. O Partido enriquece com isso. E o orçamento da Câmara é de R$ 5,2 bilhões por ano. Dá para nomear todos os assessores que estavam sem emprego.

Como que fica?

Rodrigo Maia é o favorito para a Câmara, Eunício Oliveira para o Senado.  Só que os dois foram  mencionados nas delações da Odebrecht como beneficiários de repasses financeiros ilegais.

Vergonha? Decência?

Lagosta ao molho de queijo, camarão, casquinha de siri, picanha, rosquinha húngara e oito tipos de pães estão entre os itens de uma licitação aberta pela Assembleia Legislativa de Alagoas para os serviços de bufê deste ano. Pelo jeito, Suas Excelências vão passar bem!

Abaixo os outros

José Eduardo Martins Cardozo, Tarso Genro e Eugênio Aragão, todos ex-ministros da Justiça, pediram ao ministro Alexandre de Moraes “a grandeza de renunciar ao cargo”. Os três sabem o que dizem: mesmo ocupando o cargo, não chegaram à grandeza de trabalhar por ele.

Os três ministros da Justiça do PT serão recordados para sempre pela grandeza de sua defesa do Governo comandado por Lula e Dilma Rousseff.

A grande declaração

Da ex-presidente Dilma Rousseff, sobre seus planos para o futuro:

“Não penso em voltar à política porque o grande presidente para o Brasil é Lula”.

Ele é bom mas não é

Engraçada, essa política interna petista: quando Lula pediu a Dilma que lhe abrisse caminho nas eleições, Dilma recusou, e fez questão de ser candidata à reeleição. Não deu a Lula a menor oportunidade de se candidatar no lugar dela. E fez questão de bloquear o ministro da Fazenda preferido de Lula: Henrique Meirelles. Resultado: no Governo Temer, Meirelles acabou sendo o ministro da Fazenda.


www.chumbogordo.com.br

carlos@brickmann.com.br

 twitter: @CarlosBrickmann

ROQUE SPONHOLZ

inflação000-0-roque-inflacao

TEM JEITO NÃO

Rapphael Curvo

Raphael-Curvo
Rapphael Curvo

Quando você vê descendo do mesmo avião, depois de uma longa viagem para Portugal, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral -TSE, Ministro Gilmar Mendes e o presidente da República do Brasil, Michel Temer, é de ficar pensando onde estão os valores do respeito, da decência e outros que formam o conjunto do que se chamaria de atitude ética. Afinal, um é o julgador e o outro é o demandado, o que será julgado. Esta situação divulgada pela mídia com fotos do desembarque no aeroporto de Lisboa para o enterro do líder português Mario Soares, mostra a miscelânea que está a vida política, judiciária e administrativa do nosso País. A mensagem que a foto e o fato passam aos brasileiros não tem outro caminho de análise que não o de que há compadrescos no alto escalão da vida da Nação. Estes acontecimentos é que levam ao desgaste da vida pública brasileira e a perda de credibilidade de todos os poderes do Brasil. Como não acreditar em conversas de pé de ouvido nas longas horas de viagem?

Vivemos um momento grave e que a descrença em nossos governantes é gigantesca e grotesca. Há um descrédito na estrutura política do Brasil, Executivo e Legislativo, e já há algum tempo ele se propagou pelo judiciário. Não há mais como continuar nesse atoleiro da imoralidade em que estamos. Isso tem causa bem visível. O que aconteceu e ainda acontece no Brasil, é que o cargo de Presidente perdeu o interesse para as pessoas bem preparadas e formadas, como Juscelino Kubitschek, por exemplo. O cargo perdeu a honorabilidade e se tornou disputa de classes e pessoas despreparadas, advindas dos porões ideológicos e da politicagem, campo infértil, para as pessoas íntegras. Temos que retornar a liturgia do cargo de presidente, a qualificação na política e expurgar essas hienas, salvo raras exceções, do Congresso Nacional. Só assim poderemos pensar em um País melhor e com desenvolvimento e, para isso, é preciso que o povo se manifeste, expresse sua indignação. Os conscientes tem a obrigação de assumir a responsabilidade dessa mudança e partir para a retomada da decência na vida política brasileira, não podem ficar acovardados e insensíveis a tudo que está acontecendo.

Todos falam contra o Temer, o querem fora, assim como foi com o Partido dos Trabalhadores, mas todos, ou grande parte da população, estão letárgicos. É preciso voltar as ruas e contestar. O povo diz que a bandidagem está solta, que não há segurança, mas ninguém parte para o protesto contra a situação de exagerado aumento da criminalidade. É contrassenso falar que a vida está difícil quando aceitam passivamente o desemprego. O Presidente Temer é o foco de tudo isso, gerado pela permissividade e pelas negociatas a que se submete para aprovar medidas midiáticas que estão fadadas ao insucesso por não terem sido lançadas com suporte administrativo e de pessoal qualificado para implementá-las. A ideia é boa, só faltou combinar com os russos. Esse “diz que vai mas não vai” no crescimento brasileiro é que está sangrando o País. É um desestimulador de primeira classe.

A origem dessa descrença tem como nascente a percepção de que não há atitudes coletivas, despojadas do individualismo, como prometia o presidente em maio de 2016. Sem esse individualismo, poderíamos avançar com vigor para sair do estado catatônico em que nos encontramos e que tem como resultado os massacres dos empregos, dos assaltos, da corrupção, do desânimo em toda cadeia produtiva, exceto, ainda, o agronegócio. Temer perdeu a configuração que se esperava dele, desmantelou-se, é fraco e temeroso, veste-se da capa do Lulla. O Poder o absorveu e está no controle de sua personalidade, a visão do seu governo é curta e tem como meta outubro de 2018, depois será outro dia e até lá todos os brasileiros pagarão por isso. É o resultado que o Brasil paga pela estratégia do Sr. Fernando Henrique Cardoso em 2002, ao facilitar a eleição do PT, pensando em fazer do Brasil um novo São Paulo, quiçá com ele em 2006. Repito, Lulla não mete medo, está decadente pela imoralidade e pelas contas com o judiciário, já merece uma camisa de força há muito tempo, está em delírio e não será, como quase a totalidade dos políticos brasileiros, empecilho a uma eleição geral ainda em 2017, mas para isso o povo tem que ir às ruas, porque do contrário, tem jeito não.


Gil comenta: eu assinaria embaixo senão pelo último parágrafo.  O canalha não é doido, tudo o que ele faz tem um propósito. Não é delírio, entre amargar merecida cadeia e ver o sangue de milhares de brasileiros correndo pelas ruas, prefere a segunda opção. É isso que está tentando fazer. Seu modo de pensar é claro desde a época em que levou sacos de balas para uma “greve de fome”. Não dá ponto sem nó.

COM LAMA PELO NARIZ, LULA FALA EM SALVAR O PAÍS

Josias de Souza, no JBF

Josias de Souza
Josias de Souza

Alguma coisa subiu à cabeça de Lula ao discursar em Brasília num seminário sobre educação promovido por sindicalistas. Em meio a críticas ao governo de Michel Temer, o orador sapecou uma pergunta: “Quem é que vai tirar o país da lama?” E a plateia companheira: “Lula”. Entre os presentes, ironia suprema, estava o ex-tesoureiro petista Delúbio Soares.

Réu em cinco inquéritos – três dos quais relacionados ao petrolão -, Lula apresentou-se como a pessoa certa para livrar o país do pântano. Fez isso sob aplausos de Delúbio, um corrupto de mostruário, sentenciado no célebre julgamento do mensalão. Ou seja: Lula estava completamente fora de si.

Noutra passagem do seu discurso, a pretexto de alvejar Temer, Lula atirou contra o próprio pé: “Quem é o culpado de um jovem de 25 anos estar preso hoje? O que deram de oportunidade para ele quando ele tinha 8 anos? Se não dou educação, trabalho, essa criança vai fazer o quê da vida? A gente percebe que o dinheiro que se economizou na educação no passado está se gastando hoje para se fazer cadeia. E cada vez vai custar mais caro…”

Suponha que o personagem do enredo de Lula tenha acabado de chegar ao xilindró. Preso aos 25, fez aniversário de 8 anos em 2000. Quando Lula foi eleito para suceder FHC, em 2002, o garoto tinha dez anos. Quando Lula se reelegeu, o personagem era um adolescente de 14 anos. Na época em que Lula transformou Dilma de poste em sua sucessora, em 2010, já era um homem feito, com 18 anos na cara. Soprou as velinhas dos 22 anos em 2014, ocasião em que Lula atarrachou a luz do seu poste pela segunda vez. Somava 24 quando Dilma sofreu o impeachment.

Quer dizer: se o sujeito chegou à cadeia aos 25, guiando-se pelo raciocínio do morubixaba do PT, não poderá culpar senão os governos petistas de Lula e Dilma pela falta de “oportunidades” educacionais e funcionais capazes de retirá-lo do caminho do crime.

Lula sempre foi celebrado como um mágico da oratória. Entretanto, ao se apresentar como uma alternativa presidencial limpinha, comporta-se como um mágico tantã, que acredita na própria capacidade de tirar cartolas de dentro de um coelho. Alguma coisa subiu-lhe à cabeça. Não é sensatez. Parece alucinação.

PIADA ??

Para matar a saudade de Joice Hasselmann

💣👥💀 A MACABRA ESTAMPA DA CRISE

Almir Quites

Almir Quites

Almir Quites


💣👥💀 A MACABRA ESTAMPA DA CRISE

 

ROQUE SPONHOLZ

Rebelião, superlotação? Dona Marisa tem a solução.

000-roque-1

resumindo…

000-roque-resumindo

Xô!

000-roque-xo